Princípio Investigativo e o Currículo na Formação Inicial de Professores de Química

Autores

DOI:

https://doi.org/10.31417/educitec.v7.1404

Palavras-chave:

Formação de Professores, Ensino de Ciências, Atividades de Ensino-Aprendizagem

Resumo

Desde meados do século XX a educação sofre mudanças significativas que surgem juntamente com as mudanças nas demandas sociais, trazendo a necessidade de o professor estar preparado para utilizar novas abordagens de ensino. A investigação, no contexto educacional, exige que o docente leve os seus alunos a pensar e fazer escolhas, o que possibilita que os seus futuros alunos se tornem ativos, críticos e passem a construir o seu próprio conhecimento. Nesse contexto, o objetivo deste trabalho foi analisar como se configura a investigação no currículo de formação do professor de Química, numa perspectiva em desenvolver atividades investigativas na Educação Básica. Para isso, realizou-se a análise documental das Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação de Professores, a Base Nacional Comum Curricular e Projetos Pedagógicos do Curso de Licenciatura em Química de duas Instituições de Ensino Superior de Manaus-AM, analisando os dados por meio da Análise Textual Discursiva. Foi possível observar que os documentos apresentam o princípio investigativo e suas características, uns mais explicitamente que outros. Identificou-se que esse princípio se destaca nas competências e habilidades educativas e científicas elencadas e se faz presente no currículo dos cursos analisados, devendo estar inserido na formação e prática profissional de professores de Química.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Jean Michel dos Santos Menezes, Universidade Federal do Amazonas

Docente no Magistério Superior do Instituto de Ciências Exatas e Tecnologia (ICET) - Itacoatiara/AM. Possui graduação em Licenciatura Plena em Química. Mestrado em Ensino de Química pelo Programa de Pós-Graduação em Química da Universidade Federal do Amazonas (UFAM). Cursando Doutorado em Ensino de Química pela UFAM. Desenvolve trabalhos voltados para o Ensino por Investigação e Formação de Professores.

Referências

AZEVEDO, M. C. P. S. Ensino por Investigação: Problematizando as Atividades em Sala de Aula. In: CARVALHO, A. M. P (Org.). Ensino de Ciências: Unindo a Pesquisa e a Prática. São Paulo: Thomson, 2004.

BRASIL. Ministério da Educação. CNE/CES nº 1.303/2001. Diretrizes Curriculares Nacionais para os Cursos de Química. Brasília: MEC, 2001.

BRASIL. Ministério da Educação. CNE/CP nº 9/2001. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação de Professores da Educação Básica, em nível superior, curso de licenciatura, de graduação plena. Brasília: MEC, 2001.

BRASIL. Ministério da Educação. CNE/CP nº 2/2015. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação Inicial em Nível Superior e para a Formação Continuada. Brasília: MEC, 2015.

BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular. Brasília: MEC, 2018.

BRASIL. Ministério da Educação. CNE/CES nº 2/2019. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação Inicial de Professores para a Educação Básica. Brasília: MEC, 2019.

CAPECCHI, M. C. V. M. Problematização no Ensino de Ciências. In: CARVALHO, A. M. P. (Org.). Ensino de Ciências por Investigação: Condições para Implementação em Sala de Aula. São Paulo: Cengage Learning, 2018.

CARVALHO, A. M. P. O Ensino de Ciências e a Proposição de Sequências de Ensino Investigativas. In: CARVALHO, A. M. P (Org.). Ensino de Ciências por Investigação: Condições para Implementação em Sala de Aula. São Paulo: Cengage Learning, 2018.

CARVALHO, A. M. P; GIL-PÉREZ, D. Formação de Professores de Ciências. 10. Ed. São Paulo: Cortez, 2011.

DEMO, P. Educar pela Pesquisa. 10. Ed. Campinas: Autores Associados, 2015.

FREIRE, P. Pedagogia da Autonomia: Saberes Necessários à Prática Educativa. 63. Ed. Rio de Janeiro/São Paulo: Paz e Terra, 2020.

HARGREAVES, A. O Ensino na Sociedade do Conhecimento: Educação na Era da Insegurança. Porto Alegre: Artmed, 2004.

IMBERNÓN, F. Formação Docente e Profissional: Formar-se para a Mudança e a Incerteza. 9. Ed. São Paulo: Cortez, 2011.

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO AMAZONAS. Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura em Química. Manaus, 2014.

LUDKE, M., ANDRÉ, M. E. D. A. Pesquisa em Educação: Abordagens Qualitativas. 2. Ed. São Paulo: EPU, 2013.

MORAES, R. GALIAZZI, M. C. Educação pela Pesquisa como Modo, Tempo e Espaço de Qualificação da Formação de Professores de Ciências. Ciência & Educação, Bauru, v. 8, n. 2, p. 237-252, 2002.

MORAES, R.; GALIAZZI, M. C. Análise Textual Discursiva. 3. Ed. Ijuí: Editora Unijuí, 2016.

MUNFORD, D.; LIMA, M. E. C. C. Ensinar Ciências por Investigação: Em quê Estamos de Acordo? Revista Ensaio, Belo Horizonte, v. 7, n. 1, p. 89-101, jun. 2007.

POZO, J. I. Aprendizes e Mestres: A Nova Cultura da Aprendizagem. Porto Alegre: Artmed, 2002.

SASSERON, L. H. Interações Discursivas e Investigação em Sala de Aula: O Papel do Professor. In: CARVALHO, A. M. P. (Org.). Ensino de Ciências por Investigação: Condições para Implementação em Sala de Aula. São Paulo: Cengage Learning, 2018.

SILVA, F. A. R.; MORTIMER, E. F. Atividade Investigativa na Educação Superior. Curitiba: Editora Appris, 2016.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAZONAS. Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura em Química. Manaus, 2016.

WARD, H. Investigação Científica. In: WARD, H., RODEN, J., HEWLETT, C., FOREMAN, J. Ensino de Ciências. 2. Ed. São Paulo: Artmed, 2010.

ZOMPERO, A. F.; LABURÚ, C. E. Atividades Investigativas para as Aulas de Ciência: Um Diálogo com a Teoria da Aprendizagem Significativa. 1. Ed. Curitiba: Appris, 2016.

Downloads

Publicado

2021-07-21

Como Citar

MENEZES, J. M. dos S.; FARIAS, S. A. de. Princípio Investigativo e o Currículo na Formação Inicial de Professores de Química . Educitec - Revista de Estudos e Pesquisas sobre Ensino Tecnológico, Manaus, Brasil, v. 7, p. e140421, 2021. DOI: 10.31417/educitec.v7.1404. Disponível em: https://sistemascmc.ifam.edu.br/educitec/index.php/educitec/article/view/1404. Acesso em: 25 jan. 2022.