Formação de professores do ensino superior e satisfação profissional

Autores

DOI:

https://doi.org/10.31417/educitec.v7.1126

Palavras-chave:

Docência, Formação profissional, Satisfação profissional

Resumo

Este estudo descritivo objetiva relacionar a avaliação subjetiva de satisfação profissional a investimentos na área realizados por professores do ensino superior de um curso de bacharelado e outro de licenciatura. Como fontes para o levantamento de dados foi utilizado um questionário on-line e realizada consulta à Plataforma Lattes do CNPq. Seis professores de uma instituição de ensino superior privada de Belém, no Pará, foram selecionados de um total de dezesseis respondentes por terem indicado sentir muita satisfação ou muita insatisfação na área profissional, avaliada desde o período anterior, de formação inicial. A interpretação dos resultados derivou da realização de análises funcionais, nos moldes da Análise do Comportamento. Os resultados destacam que as mesmas variáveis justificam o reconhecimento de satisfação ou de insatisfação por parte dos professores. Assim sendo, a percepção individual de fatores externos e pessoais reflete relações entre ações e emoções, evidenciando o valor de agregar sentido e prazer às atividades que precisam ser desempenhadas. O estudo permite concluir que, da mesma forma que a carreira profissional, satisfação com ela é obra de cada um, sendo inúmeros os percursos possíveis para que professores se sintam e se percebam - ou não - realizados profissionalmente. A perspectiva de análise adotada contribui para o reconhecimento de alternativas que priorizem o exercício da profissão aliado à qualidade de vida.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Rosângela Araújo Darwich, Universidade da Amazônia

Psicóloga (CRP-10/725), psicoterapeuta e professora do Programa de Pós-Graduação em Comunicação, Linguagens e Cultura (PPGCLC) e de graduação do curso de Psicologia da Universidade da Amazônia (UNAMA). Doutora em Psicologia (Teoria e Pesquisa do Comportamento) pela Universidade Federal do Pará (2007) e especialista em Terapia Cognitivo-Comportamental (CENSUPEG, 2019). Estágio pós-doutoral na Universidade Protestante de Freiburg, na Alemanha (2019).

Referências

BAUM, W. M. Compreender o behaviorismo: ciência, comportamento e cultura. Tradução: Maria Teresa Araújo Silva et al. Porto Alegre: ARTMED, 1999.

BRAGHINI, K. M. Z. A história dos estudantes “excedentes” nos anos 1960: a superlotação das universidades e um “torvelinho de situações improvisadas”. Educar em Revista, Curitiba, n. 51, p. 123-144, mar. 2014. Disponível em http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-40602014000100009&lng=en&nrm=iso&tlng=pt. Acesso em: 10 fev. 2021.

BRASIL. Presidência da República. Lei Nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 1996. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L9394.htm#art92. Acesso em: 21 jan. 2021.

CASSEPP-BORGES, Vicente. A ciência da mente: a Psicologia em busca de seu objeto. Interamerican journal of psychology, Porto Alegre, v. 43, n. 2, p. 425-427, ago. 2009. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-96902009000200023. Acesso em: 21 jan. 2021.

CHAVES, V. L. J; AMARAL, N. C. Política de expansão da educação superior no Brasil - o PROUNI e o FIES como financiadores do setor privado. Educar em Revista, Belo Horizonte, v. 32, n. 4, p. 49-72, Dec. 2016. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-46982016000400049. Acesso em: 21 jan. 2021.

CUNHA, M. I. Ensino como mediação da formação do professor universitário. In: MOROSINI, M. C. (org.). Professor do ensino superior: identidade, docência e formação. Brasília: Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais, 2000. p. 45-52.

DARWICH, R. A; TOURINHO, E. Z. Respostas emocionais à luz do modo causal de seleção por consequências. Revista brasileira de terapia comportamental e cognitiva, São Paulo, v. 7, n. 1, p. 107-118, jun. 2005. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/pdf/rbtcc/v7n1/v7n1a11.pdf. Acesso em: 10 fev. 2021.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 4ª ed. São Paulo: Atlas, 2002.

GUILHARDI, H. J. Autoestima, autoconfiança e responsabilidade. In: BRANDÃO, M. Z. S.; CONTE, F. C. S.; MEZZAROBA, S. M. B. (orgs.). Comportamento Humano: tudo (ou quase tudo) que você precisa saber para viver melhor. Santo André: ESETec, 2002. p. 63-98.

GHIRALDELLI JÚNIOR, P. História da educação brasileira. 4. ed. São Paulo: Cortez, 2009.

HENN, W. Karriere mit Darwin? Evolutionäre Strategien für die Wissenschaftlerlaufbahn. Gegenworte - Hefte für den Disput über Wissen, v. 14, p. 22-25, 2004.

HUBERMAN, M. O ciclo de vida profissional dos professores. In: NÓVOA, A. (org.). Vida de professores. 2. ed. Tradução: Maria dos Anjos Caseiro, Manuel Figueiredo Ferreira. Porto, Portugal: Porto Editora, 2007, p. 31-61.

INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA (INEP). Sinaes. Brasília: MEC/Inep, 2015. Disponível em: http://inep.gov.br/sinaes. Acesso em: 15 fev. 2021.

INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA (INEP). Sinopses Estatísticas da Educação Superior - Graduação. Brasília: MEC/Inep: 2018. Disponível em: http://portal.inep.gov.br/web/guest/sinopses-estatisticas-da-educacao-superior. Acesso em: 15. fev. 2021.

KUYKEN, W.; PADESKY; C. A.; DUDLEY, R. Conceitualização de casos colaborativa: o trabalho em equipe com pacientes em Terapia Cognitivo-Comportamental. Tradução: Sandra Maria Mallmann da Rosa. Porto Alegre: Artmed, 2010.

NENO, S. Análise funcional: definição e aplicação na terapia analítico-comportamental. Revista brasileira de terapia comportamental e cognitiva, São Paulo, v. 5, n. 2, p. 151-165, dez. 2003. Disponível em http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1517-55452003000200006&lng=pt&nrm=iso. Acesso em: 10 fev. 2021.

SILVA, A. K. M. da; LELIS, I. A. O. M. Trajetórias formativas dos professores dos cursos de Letras e Matemática da Universidade do Estado do Pará (UEPA). 2010. Tese (Doutorado em Educação) – Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2010.

SKINNER, B. F. Science and human behavior. New York: Free Press/Collier MacMillan, 1965.

SKINNER, B. F. About behaviorism. New York: Vintage Books, 1974.

SKINNER, B. Selection by consequences. Behavioral and Brain Sciences, v. 7, n. 4, p. 477-481, 1984.

STURMEY, P. Behavioral case formulation and intervention: a functional analytic approach. West Sussex, England: Wiley-Blackwell, 2008.

TODOROV, J. C. A Psicologia como o estudo de interações. Psicologia: Teoria e Pesquisa, Brasília, v. 23, n. spe, p. 57-61, 2007. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-37722007000500011&lng=pt&nrm=iso. Acesso em: 29 jan. 2021.

VILARINS, T. Universidades não alcançam nota máxima no Estado. O Liberal, Pará, 5 jan. 2020. Caderno Amazônia. Disponível em https://www.oliberal.com/para/universidades-nao-alcancam-nota-maxima-no-estado-1.226849. Acesso em: 16. fev. 2021.

Downloads

Publicado

2021-05-17

Como Citar

JERONIMO, V. A. O.; DARWICH, R. A. Formação de professores do ensino superior e satisfação profissional. Educitec - Revista de Estudos e Pesquisas sobre Ensino Tecnológico, Manaus, Brasil, v. 7, p. e112621, 2021. DOI: 10.31417/educitec.v7.1126. Disponível em: https://sistemascmc.ifam.edu.br/educitec/index.php/educitec/article/view/1126. Acesso em: 25 jan. 2022.