Tecnologias digitais, mocinhas ou vilãs?

olhares sobre o impacto na cognição dos estudantes

Autores

DOI:

https://doi.org/10.31417/educitec.v7.1261

Palavras-chave:

Processo cognitivo, Educação Profissional, Tecnologia e educação

Resumo

No Brasil, a utilização de tecnologias digitais tem aumentado muito nos últimos anos em decorrência do crescente avanço tecnológico e do frequente estímulo de políticas públicas de inclusão digital. Entre os usuários de dispositivos eletrônicos é notória a predominância do público infanto-juvenil que percebem esses dispositivos como instrumentos de identidade. Com base nisso, o presente trabalho tem como objetivo discutir o impacto do uso de tecnologias digitais na cognição dos estudantes e o uso no ambiente escolar. Realizou-se revisão bibliográfica em livros e artigos nacionais com delineamento temporal de doze anos (2007 a 2019) a partir das pesquisas indexadas em bases dados: SciELO, Google acadêmico, LILACS e Redalyc. Dentre as pesquisas encontradas, foram selecionados alguns artigos, o que resultou em uma compilação de diferentes trabalhos através de uma vasta discussão sobre os benefícios e malefícios das Tecnologias Digitais estruturada em três pilares: Breve histórico sobre as tecnologias digitais da informação e comunicação (TDIC); O uso de TDIC na educação; Os desafios de manter o foco na era da informação. Os resultados apontam que a literatura diverge quanto ao impacto do uso de dispositivos eletrônicos na cognição de crianças e jovens. Alguns autores afirmam que o acesso a diferentes ferramentas tecnologias pode contribuir para o desenvolvimento de habilidades cognitivas. Nesse aspecto, identifica-se que no contexto escolar sua utilização tem apresentando impacto positivo, promovendo inovação na prática educativa. Para tanto, outros autores chamam atenção para os efeitos nem sempre benéficos que o uso excessivo dessas ferramentas pode acarretar no público infanto- juvenil.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Marcelo Anderson Batista dos Santos, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sertão Pernambucano

Doutor em Ciências da Computação pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) sendo parte do doutorado realizado na Université Evry Val d'Essonne - IBISC Lab(França). Mestre em Engenharia da Informação pela Universidade Federal do ABC (UFABC). Tecnólogo em Sistemas de Informação pelo Instituto Federal de Alagoas (IFAL). As áreas de interesse incluem: Cloud Computing, Internet das Coisas, Network Functions Virtualization, Software Defined network, Virtualização de recursos, técnicas e algoritmos de otimização. Atualmente é professor efetivo no Ensino Básico, Técnico e Tecnológico do curso de Informática do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sertão Pernambucano (IF Sertão-PE).

Referências

ALMEIDA, Maria E. B.; SILVA, Maria G. M. Currículo, tecnologia e cultura digital: espaços e tempos de web currículo. Revista e-curriculum. São Paulo, v.b7, n. 1, p. 2-19, 2011.

BARINO, Giovanna Almeida. Efeitos do uso de mídias eletrônicas e não eletrônicas na atenção de meninos do ensino fundamental. 2014. Dissertação (Mestrado em Psicologia) – Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória, 2014.

BARROQUEIRO, Carlos H.; AMARAL, Luiz H.; OLIVEIRA, Charles A. S. O uso de tecnologias de informação e da comunicação no ensino de ciências e de matemática. Tecnologia & Cultura, Rio de Janeiro, v. 13, n. 19, p. 45-58, 2011.

BARROS, Solange P. O comportamento de risco da geração Z na internet: os reflexos no ambiente escolar. In: ABRUSIO, Juliana (coord.). Educação Digital. São Paulo: Revistas dos Tribunais, p. 69 -79, 2015.

BORTOLAZZO, Sandro, F. O sujeito digital multitarefa: entre tecnologia e educação. Revista Ciência & Tecnologia, Belo Horizonte, v. 21, n. 1, p. 9-19, 2016.

BORTOLINI, Angélica. et al. Reflexões sobre o uso das tecnologias digitais da informação e comunicação no processo educativo. Revistas Destaques Acadêmicos, v.4, n.2, p. 141-150, 2012.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais. Brasília: MEC/SEF, 1996.

BUENO, Glaukus Regiani; LUCENA, Tiago Franklin Rodrigues. Geração cabeça baixa: saúde e comportamento dos jovens no uso das tecnologias móveis. In: IX SIMPÓSIO NACIONAL ABCIBER-PUC, 2016, São Paulo. Anais do ANAIS IX Simpósio Nacional ABCiber-PUC, São Paulo: 2016.

BUROCHVITCH, Evely; BZUNECK, José Aloyseo. Aprendizagem: processos psicológicos e o contexto social na escola. 2. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2010.

BZUNECK, José Aloyseo. In: BUROCHVITCH, Evely; BZUNECK, José Aloyseo. Aprendizagem: processos psicológicos e o contexto social na escola. 2. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2010. p. 17-54.

CAMPEIZ, Ana Flávia et al. A escola na perspectiva dos adolescentes da geração Z. Revista eletrônica de enfermagem, v.19, [s.p.], 2017.

CAPOVILLA, Alessandra G. S.; DIAS, Natália, M. Desenvolvimento de habilidades atencionais em estudantes da 1ª a 4ª série do ensino fundamental e relação com o rendimento escolar. Revista de Psicopedagogia, São Paulo, v. 25, n. 78, p. 198-211, 2008.

CARR, Nicholas. A geração superficial: o que a internet está fazendo com nossos cérebros. Tradução: Mônica Gagliotti Fortunato Friaça. Rio de Janeiro: Agir, 2011.

CENTRO DE ESTUDOS SOBRE TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO (CETIC). TIC kids online Brasil: pesquisa sobre o uso da internet por crianças e adolescentes, 2018. Disponível em: < https://cetic.br/pt/publicacao/pesquisa-sobre-o-uso-da-internet-por-criancas-e-adolescentes-no-brasil-tic-kids-online-brasil-2018/>. Acesso em: 20 de abri. 2020.

COLL, César; MONEREO, Carlos. Psicologia da educação virtual: aprender e ensinar com as tecnologias da informação e comunicação. Tradução: Naíla Freitas. Porto Alegre: Artmed, 2010.

COMIN, Fabio S. Psicologia da Educação e as tecnologias digitais de informação e comunicação. Revista Quadrimestral da Associação Brasileira de Psicologia Escolar e Educacional, São Paulo, v. 18, n. 3, p. 447-55, 2014.

COSTA, Sandra Regina S.; DUQUEVIZ, Barbara Cristina; PEDROZA, Regina Lúcia S. Tecnologias digitais como instrumentos mediadores de aprendizagem dos nativos digitais. Revista Quadrimestral da Associação Brasileira de Psicologia Escolar e Educacional. São Paulo, v. 19, n. 3, p. 603-10, 2015.

CUSTÓDIO, Tiago V.; BROD, Fernando A. T.; LOPES, João L. Tecnologia digital como recurso didático para potencializar o processo de aprendizagem em desenho técnico na educação profissional. Revista Thema, v. 13, n. 2, p. 80-98, 2016.

DOSEA, Giselle S.; ANDRADE, Maria Eliane. Educação tecnológica: desafios e perspectivas da formação docente. GT8 - Espaços Educativos, Currículo e Formação Docente (Saberes e Práticas), v. 8, n. 1, 2015. Disponível em: https://eventos.set.edu.br/index.php/enfope/article/view/1609/347. Acesso em: 20 jun. 2019.

DUQUEVIZ, Barbara Cristina. Tecnologias Digitais: sentidos atribuídos por adolescentes à aprendizagem de lingua estrangeira. Tese (Processos de Desenvolvimento Humano e Saúde) -Institudo de Psicologia da Universidade de Brasília-UnB,Brasília , 2017.

DUX, E. P. et al. Isolation of a central bottleneck of information processing with time-resolved. In: PAPALIA, Diane, E.; FELDMAN, Ruth, D. Desenvolvimento Humano. 12ª ed. Porto Alegre: AMGH, 2013. p. 386-419.

FERRETE, Anne Alilma. S.S.;FERRETE, Rodrigo B. Reflexões sobre o uso de tecnologias digitais no ambiente escolar do IFS. In: Anais dos Workshops V Congresso Brasileiro de Informática na Educação- CBIE, 2016.

FONTANA, Fabiana F.; CORDENONSI, André Zanki. TDIC como mediadora do processo de ensino aprendizagem da arquivologia. Agora, Florianópolis, v. 25, n. 51, p. 101-31, 2015.

FRAGA, Luíze B. F. F. O uso das tecnologias digitais da informação e comunicação no ensino de língua estrangeira. 2013. Monográfia (Licenciatura em Letras Ligua Espanhola e Literatura de Lingua Espanhola) -Universidade Federal do Rio Grande do Sul – UFRGS, Porto Alegre, 2013.

GERIN, Cintia Soares; PRIOTTO, Elis Maria Teixeira Palma; MOURA, Fernanda Carminati. Geração Z: A influência da tecnologia nos hábitos e características de adolescentes. Revista Valore, Volta Redonda, v. 3, (Edição Especial), p. 726-34, 2018.

HANCOCK, Marsali. Tecnologia nas escolas: inciativas, politicas e métodos para manter a saúde cibernética do alunos. In: YOUNG, Kimberly, S.; ABREU, Cristiano N. Dependência de internet em crianças e adolescentes: fatores de risco, avaliação e tratamento. Tradução: Mônica Giglio Armando. Porto Alegre: Armed, 2019. p. 283-296.

JOLY, Maria C. R. A.; SILVA, Bento D.; ALMEIDA, Leandro S. Avaliação das competências docentes para utilização das tecnologias digitais da comunicação e informação. Currículo sem Fronteiras, v. 12, n. 3, p. 83-96, 2012.

KENSKI, Vani Moreira. Educação e Tecnologias: o novo ritmo da informação. 8ªed. Campinas, SP: Papirus, 2012.

KRAUSE, A. J. et al. The sleep deprived human brain. Nature Reviews Neurosciense, v. 18, n.7, p. 404-418, 2017. In: PESSOA, Rockson C. Como o cérebro aprende?. São Paulo: Vetor, 2018. p. 71-82.

LARSON, R. W.; WILSON, S. Adolescents across place and time: globalization and the changing pathways to adulthood. In: PAPALIA, Diane, E.; FELDMAN, Ruth, D. Desenvolvimento Humano. 12ª ed. Porto Alegre: AMGH, 2013. p. 386-419.

LEITE, Bruno Silva. M-Learning: o uso de dispositivos móveis como ferramenta didática no Ensino de Química. Revista Brasileira de Informática na Educação. v. 22, n. 3, p. 56-68, 2014.

LEMOLA, Sakari et al. Adolescents electronic media use at ninght sleep disturbance, and depressive symptoms in the smartphone age. Journal of Youth and Adolescence. v. 44, n. 2, p. 405-18, 2015.

LENGEL, Jim. Ensino atual não atende as exigências do mundo do trabalho na era tecnológica, avalia professor americano. Entrevista a Camila Marciel, Agência Brasil, Brasília, DF, 20 de março de 2013. Disponível em: http://memoria.ebc.com.br/agenciabrasil/noticia/2013-03-20/ensino-atual-nao-atende-exigencias-do-mundo-do-trabalho-na-era-tecnologica-avalia-professor-americano. Acesso em: 15 maio 2019.

LUCENA, Simone. Culturas digitais e tecnologias móveis na educação. Educar em Revista. Curitiba, n.59, p. 277-290, 2016.

MERIJE, Wagner. Mobimento: educação e comunicação mobile. São Paulo: Editora Peirópolis, 2012.

MORAN, José Manuel; MASETTO, Marcos Tarciso; BEHRENS, Marilda Aparecida. Novas tecnologias e mediação pedagógica. 21 ed. Campinas: Papirus, 2013.

MOREIRA, Antonio F. B.; KRAMER, Sonia. Contemporaneidade, educação e tecnologia. Revista Educação & Sociedade. Campinas, v. 28, n.100, p. 1037-1057, 2007.p. 47-65.

NICKERSON, R.S. Technology and Cognition Amplification. In: COLL, César; MONEREO, Carlos. Psicologia da educação virtual: aprender e ensinar com as tecnologias da informação e comunicação. Tradução: Naíla Freitas. Porto Alegre: Artmed, 2010.

PAPALIA, Diane E.; FELDMAN, Ruth, D. Desenvolvimento humano. Tradução: Carla Filomena Marques Pinto Vercesi. 12. ed. Porto Alegre: AMGH, 2013.

PEREIRA, Danilo Moura; SILVA, Gislene Santos. As tecnologias de informação e comunicação (TICs) como aliadas para o desenvolvimento. Caderno de Ciências Sociais Aplicadas, v.7, n. 8, p. 152-174, 2010.

PESSOA, Rockson Costa. Como o cérebro aprende?. São Paulo: Vetor, 2018.

PRIOSTE, Cláudia. O adolescente e a internet: laços e embaraços no mundo virtual. São Paulo: Editora Universidade de São Paulo, 2016.

RIBEIRO, Otacílio José. Educação e novas tecnologias: um olhar para além da técnica. In: COSCARELLI, Carla; RIBEIRO, Ana Elisa. Letramento digital: aspectos sociais e possibilidades pedagógicas. 3. ed. Belo Horizonte: Ceale, Autêntica, 2011. p. 85-98.

SANCOVSCHI, Beatriz; KASTRUP, Virginia. Práticas de estudo contemporâneo e a aprendizagem da atenção. Psicologia & Sociedade. v. 25, n. 1, p.193-202, 2013.

SILVA, Vanessa Angela; CASTRO, Márcia Prado. O uso abusivo das novas mídias e tecnologias pela sociedade contemporânea. Revista de Pós-Graduação Multidisciplinar, São Paulo, v.1, n. 2, p. 231-8, 2017.

UMBELINA, Vanessa. Redes sociais: aliadas ou vilãs da educação? Hipertextus Revista Digital, n. 9, p. 2-13, 2012.

WAGNER, Adriana et al. Adolescência e comunicação virtual. São Leopoldo: Editora Sinodal, 2009.

WARD, Adrian F. et al. Brain drain: the mere presence of one’s own smartphone reduces available cognitive capacity. 2017. Disponível em: https://www.journals.uchicago.edu/doi/full/10.1086/691462. Acesso em: 19 ago. 2019.

XAVIER, Antônio, C. Letramento digital: impacto das tecnologias na aprendizagem da geração Y. Revista Calidoscópio, v. 9, n. 1, p. 3-14, 2011.

YOUNG, Kimberly S.; ABREU, Cristiano N. Dependência de internet em crianças e adolescentes: fatores de risco, avaliação e tratamento. Tradução: Mônica Giglio Armando. Porto Alegre: Armed, 2019.

ZIMMERMAN, B. J. Self-regulation of learning and performance- Issues and educational. In: BORUCHOVITCH, Evely.; BZUNECK, José, A. Aprendizagem: processos psicológicos e o contexto social na escola. 2ªed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2010. p. 55-88.

Downloads

Publicado

2021-04-14

Como Citar

CARVALHO, S. M. P. de .; SANTOS, M. A. B. dos. Tecnologias digitais, mocinhas ou vilãs? olhares sobre o impacto na cognição dos estudantes. Educitec - Revista de Estudos e Pesquisas sobre Ensino Tecnológico, Manaus, Brasil, v. 7, p. e126121, 2021. DOI: 10.31417/educitec.v7.1261. Disponível em: https://sistemascmc.ifam.edu.br/educitec/index.php/educitec/article/view/1261. Acesso em: 25 jan. 2022.