Formação de Professores Indígenas, contextualizando o ensino às práticas culturais da etnia Satere-Mawe

Autores

  • Vilma de Jesus Almeida Serra Instituto Federal de Ciência e Tecnologia do Amazonas https://orcid.org/0000-0001-5490-3406
  • Carlos Dinely Esteves Universidade do Estado do Amazonas - UEA

DOI:

https://doi.org/10.31417/educitec.v7.1722

Palavras-chave:

Formação de Professores, Etnia, Cultura

Resumo

Este trabalho trata sobre a formação de professores da etnia Satere-Mawe, apresentando reflexões sobre as experiências construídas no diálogo entre atividade de pesquisa etnográfica com viés sobre a cosmologia presente na escola indígena e atividade de extensão como um trabalho de cunho social, conhecendo a escola indígena em seu território. A pesquisa propôs uma investigação qualitativa, que procurou conhecer as experiências pedagógicas dos professores e os anseios dos tuxauas no que se refere ao ensino na etnia que habita o rio Marau, na cidade Maués/AM. O resultado da pesquisa culminou em proposta de extensão com duração de dois anos e, sua análise, a escrita do presente artigo. Em sua estrutura textual, destacamos algumas considerações sobre aspectos do cotidiano da etnia presentes na escola. Por isso, os temas tratados permitiram fomentar um diálogo com as práticas culturais desta etnia com o intuito de projetar novas reflexões a respeito da realidade dos Satere-Mawe. Compreendeu-se com a observação empírica aspectos como: a relação do contexto social Satere-Mawe, cultura e etnoconhecimento, além do detalhamento das práticas vivenciadas nas escolas de duas comunidades. A trajetória metodológica baseou-se nos seguintes princípios norteadores: realização de oficinas e fortalecimento da cultura local através de narrativas orais e trocas de saberes. Este trabalho mostra que é possível contribuir com a formação de professores em sua comunidade.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Vilma de Jesus Almeida Serra, Instituto Federal de Ciência e Tecnologia do Amazonas

Mestranda no Programa de Pós-graduação em Educação Agrícola na Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro UFRRJ. Possui graduação em Letras e Literatura Portuguesa pela Universidade Federal do Amazonas - UFAM. Tem experiência na área de Letras, com ênfase em Linguística Textual, Morfologia e Sintaxe da Língua Portuguesa. Lecionou durante dois anos e oito meses no Programa Nacional de Inclusão de Jovens Projovem-Urbano. Exerceu durante dois anos a docência como professora substituta na Universidade Federal do Amazonas - UFAM, realizando atividades que envolvem o uso, com proficiência da Língua Portuguesa, tais quais: Língua Portuguesa I (Produção Textual), Comunicação em Prosa Moderna I, Prática Curricular IV ( Leitura e Interpretação de Texto), Comunicação em Prosa Moderna II, Morfologia do Português, Sintaxe do Português e Projeto de Extensão. Lecionou, durante três anos, nos níveis de ensino Fundamental e Médio na Secretaria de Estado de Educação - Seduc. Atuou durante dois anos como bolsista da CAPES, no Programa Nacional de Formação de Professores PARFOR pela Universidade Federal do Amazonas - UFAM e foi Professora de Produção Textual no Colégio Dom Bosco - Manaus. Atualmente, é professora de carreira de dedicação exclusiva do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Amazonas IFAM - Campus Maués.

Referências

ALMEIDA, Rita Heloísa de. O Diretório dos índios: um projeto de “civilização” no Brasil do Século XVIII. Brasília: Editora da Universidade de Brasília, 1997.

ANDRÉ, Marli Eliza Dalmazo Afonso de. Etnografia da prática escolar. Campinas: Papirus, 1995.

BAKHTIN, Mikhail Mikhailovitch. Estética da criação verbal. 6. ed. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2011.

BERGAMASCH, Maria Aparecida; SILVA, Rosa Helena Dias da. Educação escolar indígena no Brasil: da escola para índio às escolas indígenas. Agora, Santa Cruz do Sul. v. 13, n.1, p.124-150, jan./jun. 2007.

CALDERANO, Maria Assunção. O estágio curricular e a docência compartilhada: na perspectiva do realismo crítico. Curitiba: Appris, 2017.

CUNHA, Maria Manuela Ligeti Carneiro da. Cultura com aspas: e outros ensaios. [S. l.: s.n.], 2009.

DOSSIÊ da Agenda 2030. Com Ciência: Revista Eletrônica de Jornalismo Científico, n. 208, jun./2019. Disponível em http://www.comciencia.br/o-que-e-agenda-2030-das-nacoes-unidas-e-quais-sao-os-objetivos-de-desenvolvimento-sustentavel. Acesso em: 5 nov. 2019.

ESTEVES, Carlos Dinelli. Prática Pedagógica e Construção de Identidade Sateré-Mawé: Escola Wanteru - ponte entre o passado e o presente. 2008. 137 f. Dissertação (Mestrado) - Curso de Educação, Faced, Universidade Federal do Amazonas, Manaus, 2008. Cap. 3. CD-ROM.

GEERTZ, Clifford. A interpretação das culturas. Rio de Janeiro: Copyright, 1989.

LÉVI-STRATUS, Claude, O pensamento selvagem, São Paulo: Papirus 1989.

LUCIANO, Gersem José dos santos. Educação para manejo e domesticação do mundo: entre a escola ideal e a escola real: os dilemas da educação indígena no Alto Rio Negro. Universidade de Brasília-DF, 2011.

MARCUSCHI, L. A. Produção textual, análise de gêneros e compreensão. São Paulo: Parábola Editorial, 2008.

MARTIUS; SPIX. Viagem pelo Brasil 1817 a 1820. São Paulo: Universidade de São Paulo, 1981.

MARREIRO, Telma de Lima da Cunha. Projeto Político Pedagógico, Étnico, Educação e Cultura Sateré-Mawé. Manaus – UFAM, 2007.

MOITA, Filomena Maria Gonçalves da Silva Cordeiro; ANDRADE, Cézar Bezerra. Ensino-pesquisa-extensão: um exercício de indissociabilidade na pós-graduação. Revista Brasileira de Educação, v.14, n. 41, maio/ago. 2009.

RAMOS, Francicleo Castro. Socialização e cultura escolar no Brasil. Revista Brasileira de Educação, v. 23, ano 2018.

RODRIGUES, Aryon Dall’Igna. Biodiversidade e diversidade etnolinguística na Amazônia. Ecolinguística: Revista Brasileira de Ecologia e Linguagem, Brasília, DF, v. 1, n. 1, 2015. Disponível em: https://periodicos.unb.br/index.php/erbel/article/view/9966. Acesso em: 5 nov. 2019.

SILVA, Raynice Geraldine Pereira da. Esboço sociolinguístico Sateré-Mawé. Tellus, ano 7, n. 13, out. 2007.

TEIXEIRA, Pery. Sateré-Mawé: retratos de um povo indígena. Manaus: EDUA, 2005.

UGGÉ, Henrique. Bonitas histórias Sateré-Mawé. Manaus: SEDUC, 1990.

WEIGEL,Valeria Augusta Cerqueira Medeiros de. Escolas de branco em malokas de índio, Manaus: EDUA, 2000.

Downloads

Publicado

2021-09-08

Como Citar

SERRA, V. de J. A.; DINELY ESTEVES, C. Formação de Professores Indígenas, contextualizando o ensino às práticas culturais da etnia Satere-Mawe. Educitec - Revista de Estudos e Pesquisas sobre Ensino Tecnológico, Manaus, Brasil, v. 7, p. e172221, 2021. DOI: 10.31417/educitec.v7.1722. Disponível em: https://sistemascmc.ifam.edu.br/educitec/index.php/educitec/article/view/1722. Acesso em: 25 jan. 2022.