Citologia para estudantes surdos: uma unidade de ensino potencialmente significativa

Autores

  • Eliane Barth Tavares Instituto Federal do Acre
  • Cinara Calvi Anic Instituto Federal do Amazonas
  • João dos Santos Cabral Neto

DOI:

https://doi.org/10.31417/educitec.v4i08.525

Palavras-chave:

Surdez, Unidade de ensino, Biologia, Mapa conceitual

Resumo

Como o aprendizado de estudantes surdos depende de outra língua que não a Língua Portuguesa, considera-se importante o uso da Libras como língua de instrução para um ensino e aprendizagem significativa das disciplinas curriculares, como a Biologia e, particularmente, os conteúdos referentes à Citologia, que são considerados abstratos e complexos. Por essa razão, foi elaborado um percurso investigativo com o objetivo de construir uma Unidade de Ensino Potencialmente Significativa (UEPS) para o ensino de Citologia para estudantes surdos do 1° ano do Ensino Médio de escolas inclusivas de Rio Branco, Acre. Nessa perspectiva, foi eleita a Teoria da Aprendizagem Significativa de Ausubel como aporte teórico e a pesquisa-ação como metodologia para promover a participação ativa dos sujeitos. O desenvolvimento da UEPS ocorreu em doze encontros com seis estudantes surdos. Durante o desenvolvimento deste percurso, as evidências da aprendizagem foram avaliadas por meio de Mapas Conceituais e as análises foram realizadas por meio da Taxonomia Topológica (CAÑAS et al., 2006) e Taxonomia Semântica (MILLER; CAÑAS, 2008). Os resultados obtidos durante o desenvolvimento da UEPS mostram que o uso de recursos visuais foi um fator importante para assegurar a compreensão dos conteúdos para aqueles termos para os quais não havia sinais em Libras, e os Mapas Conceituais foram considerados um recurso proveitoso como evidência da aprendizagem no Ensino de Citologia para estudantes surdos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Referências

ALMEIDA, R. C. N. A ciência quebra o silêncio entre cientistas, professores e a comunidade surda. 2013. 147 f. Tese (Doutorado em Química Biológica) - Universidade Federal do Rio de Janeiro, Instituto de Bioquímica Médica, 2013.

AUSUBEL, D. P.; NOVAK, J. D.; HANESIAN, H. Psicologia educacional. Rio de Janeiro: Interamericana, 1980.

BRASIL. Assembleia Nacional Constituinte. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado Federal/Secretaria Especial de Editoração e Publicações, 1988.

BRASIL. Decreto n. 5.626 de 22 de dezembro de 2005. Regulamenta a Lei no 10.436, de 24 de abril de 2002, que dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais - Libras, e o art. 18 da Lei no 10.098, de 19 de dezembro de 2000. Diário Oficial da União. Brasília, DF, v. 142, n. 246, 23 dez. 2005. Seção 1, p. 28. Disponível em: <http://goo.gl/5rSJMA>. Acesso em: 25 maio 2016.

BRASIL. Lei n. 10.436 de 24 de abril de 2002. Dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais - Libras e dá outras providências. Diário Oficial da União. Brasília, DF, v. 139, n. 79, 25 abr. 2002. Seção 1, p. 23. Disponível em:<http://goo.gl/b8kJLP>. Acesso em: 27 maio 2016.

CAMPELLO, A. R. S. Aspectos da visualidade na educação de surdos. 2008. 245f. Tese (Doutorado em Educação) - Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2008.

CAÑAS, A. J. et al. Confiabilidad de uma taxonomia topógica para mapas conceptuales. In: CAÑAS, A. J.; NOVAK, J. D. (Eds.). Concept Maps: Theory, methodology, technology. Proceedings of the second international conference on concept mapping, San José: Universidad da Costa Rica, v. 1, 2006, p. 153-161.

CARMONA, J. C. C. A dicionarização de termos em Língua Brasileira de Sinais (Libras) para o ensino de biologia: uma atitude empreendedora. 2015. 174 f. Dissertação (Mestrado em Ensino de Ciências Humanas, Sociais e da Natureza), Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Londrina, 2015.

FERRAZ, T. A. S. Alternativas no ensino de microbiologia para a inclusão de alunos surdos. 2014. 113 f. Dissertação (Mestrado em Formação Científica para Professores de Biologia) - Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2014.

FIALHO, W. C. G. As dificuldades de aprendizagem encontradas por alunos no ensino de biologia. Praxia, Goiás, v. 1, n. 1, p. 53-70, jan. 2013.

HILL, R. Concept mapping to encourage meaningful student learning. Adult Learning, v. 16, n. 3-4, p.7-13, Jun. 2005.

IORIOPETROVICH, A. C. I. et al. Temas de difícil ensino e aprendizagem em ciências e biologia: experiências de professores em formação durante o período de regência. Revista da SBEnBio, Niterói, n. 7, p. 363-373, out. 2014.

KRASILCHIK, M. Prática de ensino de biologia. 4. ed. rev. e ampl. 2 reimpr. São Paulo: Edusp, 2008.

MARINHO, M. L. O Ensino da Biologia: o intérprete e a geração de sinais. 2007. 145f. Dissertação (Mestrado em Linguística), Universidade de Brasília, Brasília, 2007.

MARSCHARK, M.; HAUSER, P. C. Cognitive Underpinnings of Learning by Deaf and Hard-of-Hearing Students: Differences, Diversity, and Directions. In: MARSCHARK, M.; HAUSER, P. H. (Eds.). Deaf Cognition: foundations and outcomes. New York: Oxford University Press, 2008.

MARSCHARK, M.; KNOORS, H. Educating Deaf Children: Language, Cognition, and Learning. Deafness & Education International, v. 14, n. 3, p.136-160, Sep. 2012.

MILLER, N. L.; CAÑAS, A. J. A semantic scoring rubric for concept map: design and realility. In: CAÑAS, A. J.; REISKA, P.; AHLBERG, M. K.; NOVAK, J. D. (Eds.). Concept Mapping: connecting educators. Proceedings of the 3rd International Conference on Concept Mapping. Tallinn, v. 1, n. 1, p. 60-67, 2008.

MOREIRA, M. A. Unidades de ensino potencialmente significativas – UEPS. Aprendizagem Significativa em Revista, v. 1, n. 2, p. 43-63, 2011.

MOREIRA, M. A. ¿Al final, qué es aprendizaje significativo? Qurriculum: Revista de teoría, investigación y práctica educativa, n. 25, p. 29-56, 2012.

NOVAK, J. D. Learning, Creating, and Using Knowledge: Concept Maps as Facilitative Tools in Schools and Corporations. 2nd. ed. New York: Routledge. 2010.

NOVAK, J. D.; CAÑAS, A. J. The Origins of the Concept Mapping Tool and the Continuing Evolution of the Tool. Information Visualization Journal, v.5, n.5, p.175-184. 2006.

NOVAK, J. D.; CAÑAS, A. J. The Theory Underlying Concept Maps and How to Construct and Use Them. Technical Report IHMC CmapTools. Rev., Florida: Institute for Human and Machine Cognition, 2008. Disponível em:<https://goo.gl/eDGDZn>. Acesso em 31 maio 2017.

PEREIRA, M. C. C. Leitura, escrita e surdez. 2. ed. São Paulo: FDE, 2009. Disponível em: <http://goo.gl/yF7CFs>. Acesso em: 26 jun. 2015.

PINTO-SILVA, F. E. Estudo, capacitação e ensino de Ciências para jovens surdos. 2013. 114 f. Tese (Doutorado em Educação, Difusão e Gestão em Biociências), Universidade Federal do Rio de Janeiro, 2013.

PLIESSNIG, A. F. Quem tem mais dá para quem tem menos! Difusão e osmose. Portal do professor. 2009. Disponível em: <https://goo.gl/gLXhm4>. Acesso em: 25 jun. 2017.

REILY, L. H. Imagens: o lúdico e o absurdo no ensino de arte para pré-escolares surdos. In: SILVA, I. R.; KAUCHAKJE, S.; GESUELI, Z. M. (Orgs.). Cidadania, surdez e linguagem. São Paulo: Plexus. 2003.

ROSSETTO, E. S. O jogo das organelas: o lúdico na Biologia para o Ensino Médio e Superior. Revista Iluminart do IFSP, Sertãozinho, v. 1, n. 4, p. 118-123, abr. 2010.

ROSSI-RODRIGUES, B. C. et al. Osmose em célula vegetal observada ao microscópio óptico. In: Biblioteca Digital de Ciências. set. 2011. Disponível em: <https://goo.gl/aMNE4s>. Acesso em: 7 jul. 2017.

RUMJANEK, J. B. D. Novos sinais para a ciência: desenvolvimento de um glossário científico em Libras. 2011. 81 f. Dissertação (Mestrado em Química Biológica), Universidade Federal do Rio de Janeiro, Instituto de Bioquímica Médica, Rio de Janeiro, 2011.

RUMJANEK, J. B. D. Admirável mundo novo: a ciência e o surdo. 2016. 127 f. Tese (Doutorado em Química Biológica), Universidade Federal do Rio de Janeiro, Instituto de Bioquímica Médica, Rio de Janeiro, 2016.

SALLES, H. M. M. L.; FAULSTICH, E; CARVALHO, O. L.; RAMOS, A. A. L. Ensino de língua portuguesa para surdos: caminhos para a prática pedagógica. Brasília: MEC/SEESP, 2005. v.1.

SANDIN-ESTEBAN, M. P. Pesquisa qualitativa em educação: fundamentos e tradições. Porto Alegre: AMGH, Artmed, 2010.

SWELLER, J.; AYRES, P.; KALYUGA, S. Cognitive load theory. New York: Springer, 2011.

TAVARES, E. B. Citologia para estudantes surdos: uma unidade de ensino potencialmente significativa. 2018. 165f. Dissertação (Mestrado Profissional em Ensino Tecnológico), Instituto Federal de Educação e Tecnologia do Amazonas, Manaus, 2018.

TAVARES, E. B.; CABRAL-NETO, J. S. Um panorama da educação de surdos: o caso do ensino de Ciências em Rio Branco, Acre. In: SOUZA, A. C. R. et al. Formação de professores e estratégias de ensino: perspectivas teórico-práticas. Curitiba: Apris, 2018.

THIOLLENT, M. Metodologia da pesquisa-ação. 17. ed. São Paulo: Cortez, 2009.

WELLINGTON, J. J.; OSBORNE, J. Language and literacy in science education. Phildelphia, Pa: Open University, 2001.

YARDEN, H.; MARBACH-AD, G.; GERSHONI, J. M. Using the Concept Map Technique in Teaching Introductory Cell Biology to College Freshmen. Journal of College Biology Teaching, v. 30 n. 1, p.3-13, Mar. 2004.

Downloads

Publicado

14-11-2018

Como Citar

TAVARES, E. B.; ANIC, C. C.; CABRAL NETO, J. dos S. Citologia para estudantes surdos: uma unidade de ensino potencialmente significativa. Educitec - Revista de Estudos e Pesquisas sobre Ensino Tecnológico, Manaus, Brasil, v. 4, n. 08, 2018. DOI: 10.31417/educitec.v4i08.525. Disponível em: https://sistemascmc.ifam.edu.br/educitec/index.php/educitec/article/view/525. Acesso em: 19 jul. 2024.

Edição

Seção

Ed. Especial 2018: Processos e Recursos para o Ensino em um Contexto Tecnológico
Received 2018-08-25
Accepted 2018-10-25
Published 2018-11-14