A temática ‘Probabilidade e Estatística’ nos anos iniciais do Ensino Fundamental a partir da promulgação da BNCC: percepções pedagógicas

Autores

  • Márcio Matoso de Pontes Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará

DOI:

https://doi.org/10.31417/educitec.v5i12.957

Palavras-chave:

BNCC, Formação de Professores, Probabilidade e Estatística

Resumo

O presente artigo tem por objetivo discutir sobre o ensino de Estatística com base na unidade temática Probabilidade e Estatística, a partir da promulgação da Base Nacional Comum Curricular (BNCC), nos anos inicias do Ensino Fundamental, por meio de uma metodologia de caráter bibliográfico, fundamentada nos autores: Borba (2019), Campos (2011), Gal 2002); Guimarães (2013), Lopes (2008), entre outros. Com o intuito de analisar como está sendo desenvolvido o trabalho com Estatística, pelos professores pedagogos, após as mudanças proposta pelo documento curricular, a presente pesquisa visa refletir sobre as mudanças relacionadas à temática e seus aspectos impactantes sobre a implementação da unidade Probabilidade e Estatística, nos anos iniciais do Ensino Fundamental. A partir das leituras, evidenciou-se a necessidade de se enfatizar, na formação continuada de professores em Matemática, abordagens, metodologias direcionadas e instruções mais claras, que contribuam diretamente na construção processual de ensino e aprendizagem dos conceitos referentes à Probabilidade e Estatísticas para os alunos dos anos iniciais da Educação Básica.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Referências

BEZERRA, L. (2014). A Estatística e a Probabilidade nos currículos dos cursos de Licenciatura em Matemática no Brasil. Dissertação de Mestrado. Centro de Educação-EDUMATEC p.127.

BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular (BNCC): Educação é a Base. Brasília, DF, 2017.

________. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN): Matemática. Brasília, DF, 1997.

________. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN): Matemática. (3º e 4º ciclos do ensino fundamental). Brasília: MEC, 1998.

CAMPOS, C.R; Wodewotzki, M.L.L; Jacobibi, O.R. Educação Estatística: Teoria e prática em ambientes de modelagem matemática. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2011 p.1-143 (Coleção Tendências em Educação Matemática).

BORBA, R.; Monteiro, C.; Guimarães, G.; Coutinho, C.; KATAOKA, V.W. Educação Estatística no ensino básico: currículo, pesquisa e prática em sala de aula. Revista de Educação Matemática e Tecnológica Ibero-americana, v. 2, n.2, 2011. Disponivel em <https://periodicos.ufpe.br/revistas/emteia/article/view/2153. Acesso em: 02 mar. 2019.

GAL, I. Adults Statistical Literacy: meanings, components, responsibilities. International Statistical Review, v. 70, n. 1, p. 1-25, 2002.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de Pesquisa. São Paulo: Atlas, 2016. GUIMARÃES, G. Estatística nos anos iniciais de escolarização. In: SMOLE, K. E; MUNIZ, C. A matemática em sala de aula: reflexões e propostas para os anos iniciais do ensino fundamental. Penso Editora, 2013 p.115-136.

ESTEVE, José M. Mudanças sociais e função docente. In: NÓVOA, Antônio. (Org.) Profissão professor. 2. ed. Porto: Porto Ed., 1995 p. 93-124.

FREIRE, Paulo, Pedagogia da Autonomia: Saberes necessários a prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

FRIGOTTO, Gaudêncio. “A formação e a profissionalização do educador: Novos caminhos”. In: Gentili, P & T.T. (orgs.). Escola S.A. Quem ganha e quem perde no mercado educacional do neoliberalismo. Petrópolis; Brasília: Vozes/CNTE 1996.

FONSECA, J. J. S. Metodologia da pesquisa científica. Fortaleza: UEC, 2002. Apostila.

LOPES, C. A. E. O conhecimento profissional dos professores e suas relações com Estatística e Probabilidade na Educação Infantil. 2003. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas.

________________. O ensino da estatística e da probabilidade na educação básica e a formação dos professores. Revista Cad. Cedes, Campinas, vol. 28, n. 74, p. 57-73, jan./abr. 2008. Disponível em < http://cedes.unicamp.br. Acesso em 12 Mar.2017.

________________. Os desafios para educação estatística no currículo de matemática. In: LOPES, C. E.; COUTINHO, C. Q. S.; ALMOULOUD, S. A.

(Org.). Estudos e reflexões em educação estatística. 1. Ed. Campinas, SP: Mercado de letras, 2010 p. 47-64.

LOPES, C.; D’AMBRÓSIO, B. Perspectivas para a Educação Estatística de futuros educadores matemáticos de infância. In: SAMÁ, S.; SILVA, M. P. M. da. (Org.). Educação Estatística: ações e estratégias pedagógicas no Ensino Básico e Superior. Curitiba: CRV, 2015, p. 17-25.

PIMENTA, Selma Garrido. Professor reflexivo: construindo uma crítica. In: PIMENTA, Selma Garrido; Ghedin, Evandro (orgs). Professor Reflexivo no Brasil – Gênese e Crítica de um conceito. São Paulo: Cortez, 2002.

SACRISTÁN, J. G.; GOMEZ, A. L. P. Compreender e transformar o ensino; tradução Ernani F. da Fonseca Rosa. 4. Ed. Artmed, 1998.

VIALI, L; SEBASTIANI, R.G. Ensino de Estatística na Escola Básica com recurso da planilha. In: LOPES, C. E.; COUTINHO, C. Q. S.; ALMOULOUD, S. A. (Org.). Estudos e reflexões em educação estatística. 1. Ed. Campinas, SP: Mercado de letras, 2010 p. 47-64.

VIEIRA, Juçara Dutra. “Formação e carreira”. Cadernos de Educação nº 9, maio 1999. CNTE.

Downloads

Publicado

11-12-2019

Como Citar

PONTES, M. M. A temática ‘Probabilidade e Estatística’ nos anos iniciais do Ensino Fundamental a partir da promulgação da BNCC: percepções pedagógicas. Educitec - Revista de Estudos e Pesquisas sobre Ensino Tecnológico, Manaus, Brasil, v. 5, n. 12, 2019. DOI: 10.31417/educitec.v5i12.957. Disponível em: https://sistemascmc.ifam.edu.br/educitec/index.php/educitec/article/view/957. Acesso em: 19 jul. 2024.