Intenção Empreendedora dos Graduandos em Tecnologia

Autores

DOI:

https://doi.org/10.31417/educitec.v7.1437

Palavras-chave:

Curso de Graduação, Educação tecnológica, Teoria

Resumo

Este artigo identifica a intenção empreendedora dos alunos de graduação em uma instituição de ensino profissional e tecnológico. Para tanto, adotou abordagem qualitativa e quantitativa, do tipo descritiva, com delineamento de survey. A amostra foi coletada em um grupo composto por 99 alunos das três séries do curso de Tecnologia em Mecatrônica Industrial, da Faculdade de Tecnologia SENAI Armando de Arruda Pereira, de São Caetano do Sul, estado de São Paulo.  Os dados obtidos através de questionário foram analisados por meio de técnica estatística e os documentos, por análise de conteúdo. Os resultados indicam que os alunos das três séries do curso têm de fraca a moderada intenção de empreender, sem variações significativas, seja por conta da participação em atividades institucionais relativas ao empreendedorismo, ou por não terem cursado disciplinas relacionadas ao empreendedorismo. Por outro lado, a ausência de familiares empreendedores pode justificar a média-baixa intenção de empreender. Sugere-se o desenvolvimento de ações educacionais voltadas ao empreendedorismo como forma de estimular o aluno a empreender e como opção de desenvolvimento pessoal e profissional. Para estudos futuros, recomenda-se ampliar a amostra.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Isabel Cristina dos Santos, Universidade Municipal de São Caetano do Sul

Doutora em Engenharia (EPUSP, 2004), com Pós-Doutorado em Gestão da Inovação Tecnológica e Economia da Inovação (ITA, São José dos Campos, 2010). Administradora, Mestre em Administração (PUCSP, 1999). Atua desde 1999 no Ensino Superior, ministrando as disciplinas de Teoria Organizacional, Gestão de Pessoas e de Organizações, na graduação. Como professora-pesquisadora do Programa de Pós-graduação em Administração da Universidade Municipal de São Caetano do Sul, dedica-se aos estudos no campo da Gestão do Conhecimento e Inovação Tecnológica tendo por objeto as empresas e aglomerações tecnológicas, com ênfase aos fatores condicionantes e competências regionais que propiciam a formação dos sistemas de inovação e de produção. Ministra a disciplina Sistemas e Redes de Inovação e participa como pesquisadora do Grupo de Pesquisa em Inovação e Sustentabilidade da USCS e coordena o projeto de SISTEMAS E REDES DE INOVAÇÃO: Um estudo dos sistemas de inovação em áreas estratégicas ao desenvolvimento.

Maria do Carmo da Silva Lustosa, Universidade Municipal de São Caetano do Sul

Mestre em Administração - Redes e Inovação. Pós-Graduação em Prática Docente do Ensino Profissional. Possui graduação em Administração pelo Centro Universitário Fundação Santo André (2005). Atualmente é monitor de educação profissional - SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL - SP.

Referências

AJZEN, Icek. Attitudes, traits, and actions: Dispositional prediction of behavior in personality and social psychology. In: Advances in experimental social psychology. Academic Press, 1987. p. 1-63. doi:10.1016/S0065-2601(08)60411-6

AJZEN, Icek et al. The theory of planned behavior. Organizational behavior and human decision processes, v. 50, n. 2, p. 179-211, 1991.doi:10.1016/0749-5978(91)90020-T

AJZEN, Icek. The theory of planned behaviour: Reactions and reflections [Editorial]. Psychology & Health, v. 26, n. 9, p. 1113-1127, 2011. doi:10.1080/08870446.2011.613995.

ARMSTRONG, Craig E. I meant to do that! Manipulating entrepreneurial intentions through the power of simple plans. Journal of Small Business and Enterprise Development, v. 21, n. 4, p. 638-652, 2014. doi: 10.1108/JSBED-10-2011-0016.

BARDIN, Laurence. Análise de Conteúdo. 3ª Reimpressão da 1. São Paulo: Edições, v. 70, 2016.

BRASIL. Ministério do Trabalho e Emprego. Cadastro Geral de Empregados e Desempregados - CAGED. 2018. Disponível em: https://ces.ibge.gov.br/base-de-dados/metadados/mte/cadastro-geral-de-empregados-e-desempregados-caged.html. Acesso em: 08 set. de 2020.

BOZZO, Andrea Luisa et al. Ideologia de vida e motivação empreendedora. RACE-Revista De Administração, Contabilidade e Economia, v. 18, n. 2, p. 281-298, 2019. doi: 10.18593/race.18042.

BRANCO, Thaíssa Velloso Castelo; DE MORAIS WATANABE, Eluiza Alberto; ALFINITO, Solange. Consciência saudável e confiança do consumidor: um estudo sobre a aplicação da teoria do comportamento planejado na compra de alimentos orgânicos. Revista de Gestão Social e Ambiental, v. 13, n. 1, p. 2-20, 2019. doi: 10.24857/rgsa.v13i1.1730.

CHEUNG, C. K. et al. Entrepreneurship education at the crossroad in Hong Kong. Creative Education, v. 3, n. 05, p. 666, 2012. doi:10.4236/ce.2012.35098.

COHEN, Jacob. Set correlation and contingency tables. Applied psychological measurement, v. 12, n. 4, p. 425-434, 1988.

COUTO, CLP do; MARIANO, Sandra Regina Holanda; MAYER, Verônica Feder. Medição da intenção empreendedora no contexto brasileiro: desafios da aplicação de um modelo internacional. Encontro Da Anpad, v. 34, 2010. Disponível em: http://www.anpad.org.br/diversos/down_zips/53/gct2576.pdf. Acesso em: 04 set. 2020.

DABBAGH, N.; MENASCÉ, D. A. Student perceptions of engineering entrepreneurship: An exploratory study. Journal of Engineering Education, v. 95, n. 2, p.153-164. 2013. doi: 10.1002/j.2168-9830.2006.tb00886.x.

DANCEY, Christine; REIDY, John. Estatística Sem Matemática para Psicologia-7. Porto Alegre: Artmed, 2005.

FIALHO, Camila Borges et al. Motivação para empreender em cenário de crise econômica: um estudo com novos empreendedores. Revista Livre de Sustentabilidade e Empreendedorismo, v. 3, n. 1, p. 148-175, 2018.

FIGUEIREDO FILHO, Dalson Britto; SILVA JÚNIOR, José Alexandre da. Desvendando os Mistérios do Coeficiente de Correlação de Pearson (r). 2009. In: V Seminário de Ciência Política e Relações Internacionais. Pernambuco. Anais... Disponível em: https://periodicos.ufpe.br/revistas/politicahoje/article/viewFile/3852/3156

GEM Global Entrepreneurship Monitor. Empreendedorismo no Brasil: 2017. Relatório Nacional. Curitiba: Instituto Brasileiro da Qualidade e Produtividade, 2018. Disponível em: https://atendimento.sebrae-sc.com.br/wp-content/uploads/2019/05/1551466386GEM_2018.pdf. Acesso em: 08 set. 2020.

GIL, Antônio Carlos. Métodos e Técnicas de Pesquisa Social. 6ª Edição. São Paulo: editora Atlas SA, 1999.

GIL, Antônio Carlos. Teoria Geral da Administração: dos clássicos à pós-modernidade. São Paulo: Atlas, 2016.

HECKE, Adriana Paffrath. A intenção empreendedora dos alunos concluintes dos cursos de graduação em administração em ciências contábeis das instituições de ensino superior de Curitiba-PR. 2011. Dissertação de Mestrado em Contabilidade. Universidade Federal do Paraná, Curitiba. 2011. Disponível em: https://acervodigital.ufpr.br/handle/1884/25849

HENRIQUE, Daniel Christian; CUNHA, Sieglinde Kindl da. Práticas didático-pedagógicas no ensino de empreendedorismo em cursos de graduação e pós-graduação nacionais e internacionais. RAM. Revista de Administração Mackenzie, v. 9, n. 5, p. 112-136, 2008. doi:10.1590/S1678-69712008000500006

KRACIK, Marina Souza et al. O DESIGN THINKING PARA O DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS NO ÂMBITO DO EMPREENDEDORISMO SOCIAL. In: Congresso Internacional de Conhecimento e Inovação–Ciki. 2019. Disponível: http://proceeding.ciki.ufsc.br/index.php/ciki/article/view/710

KRUEGER, Norris F.; CARSRUD, Alan L. Entrepreneurial intentions: Applying the theory of planned behaviour. Entrepreneurship & Regional Development, v. 5, n. 4, p. 315-330, 2010. doi:10.1080/08985629300000020

KRUEGER JR, Norris F.; BRAZEAL, Deborah V. Entrepreneurial potential and potential entrepreneurs. Entrepreneurship theory and practice, v. 18, n. 3, p. 91-104, 1994.

LEÓN, Juan Antonio Moriano; DESCALS, Francisco José Palací; DOMÍNGUEZ, José Francisco Morales. The psychosocial profile of the university entrepreneur. Psicología, v. 22, n. 1, p. 75-99, 2007.

LIMA, Edmilson et al. Opportunities to improve entrepreneurship education: Contributions considering Brazilian challenges. Journal of Small Business Management, v. 53, n. 4, p. 1033-1051, 2015. doi:10.1111/jsbm.12110

LIÑÁN, Francisco; FAYOLLE, Alain. A systematic literature review on entrepreneurial intentions: citation, thematic analyses, and research agenda. International Entrepreneurship and Management Journal, v. 11, n. 4, p. 907-933, 2015. doi:10.1007/s11365-015-0356-5

LIÑÁN, Francisco; URBANO, David; GUERRERO, Maribel. Regional variations in entrepreneurial cognitions: Start-up intentions of university students in Spain. Entrepreneurship and Regional Development, v. 23, n. 3-4, p. 187-215, 2011. doi:10.1080/08985620903233929

LIÑÁN, Francisco. Skill and value perceptions: how do they affect entrepreneurial intentions?. International Entrepreneurship and Management Journal, v. 4, n. 3, p. 257-272, 2008. doi: 10.1007/s11365-008-0093-0

LIÑÁN, Francisco; CHEN, Yi–Wen. Development and cross–cultural application of a specific instrument to measure entrepreneurial intentions. Entrepreneurship theory and practice, v. 33, n. 3, p. 593-617, 2009. doi: 10.1111%2Fj.1540-6520.2009.00318.x

LOIOLA, Elisabeth et al. Ação planejada e intenção empreendedora entre universitários: analisando preditores e mediadores. Revista Psicologia Organizações e Trabalho, v. 16, n. 1, p. 22-35, 2016. doi: 10.17652/rpot/2016.1.706

LOPES, L. F. D. Métodos Quantitativos. 1ª edição. Santa Maria: Universidade Federal de Santa Maria. Santa Maria: UFSM, 2016.

LORTIE, Jason; CASTOGIOVANNI, Gary. The theory of planned behavior in entrepreneurship research: what we know and future directions. International Entrepreneurship and Management Journal, v. 11, n. 4, p. 935-957, 2015. doi:10.1007/s11365-015-0358-3.

MALHOTRA, N. Pesquisa de Marketing. 3 ed. Porto Alegre: Bookman, 2001.

PEREIRA, Raquel da Silva et al. O ensino de" inovação" na Administração, Ciências contábeis, Turismo e Tecnologia em gestão: um estudo exploratório em Instituições de Ensino Superior brasileiras. RAI Revista de Administração e Inovação, v. 9, n. 4, p. 221-244, 2012. doi:10.5773/rai.v9i4.1083

RIBEIRO, Jéssica Araújo. Inovar a tradição: estudo de casos. 2019. Dissertação em Gestão e Estratégia Industrial. Universidade de Lisboa. Lisbon School of Economics and Management. Lisboa, Portugal, 2019. Recuperado de https://www.repository.utl.pt/handle/10400.5/19229

ROCHA, Estevão Lima de Carvalho et al. Ensino de empreendedorismo nos cursos presenciais de graduação em administração em fortaleza: um estudo dos conteúdos e instrumentos pedagógicos. Administração: Ensino e Pesquisa, v. 12, n. 3, p. 393-414, 2011. doi: 10.13058/raep.2011.v12n3.160

ROCHA, Estevão Lima de Carvalho; FREITAS, Ana Augusta Ferreira. Avaliação do ensino de empreendedorismo entre estudantes universitários por meio do perfil empreendedor. Revista de Administração contemporânea, v. 18, n. 4, p. 465-486, 2014.doi:10.1590/1982-7849rac20141512

SANTOS, Isabel Cristina dos Santos; PEREIRA, Raquel da Silva. Educação tecnológica, inovação e geração de emprego: alavancas para o progresso das organizações, pessoas e nações. Revista Científica Hermes - FIPEN, [S.l.], v. 25, p. 468-490, nov. 2019. ISSN 2175-0556. doi: 10.21710/rch.v25i0.478.

SCHLAEGEL, Christopher; KOENIG, Michael. Determinants of entrepreneurial intent: A meta–analytic test and integration of competing models. Entrepreneurship Theory and Practice, v. 38, n. 2, p. 291-332, 2014. doi:10.1111/etap.12087

SENGER, Igor et al. Comparando Grupos de Agricultores de Acordo com suas Intenções em Diversificar a Produção Agrícola: uma aplicação da Teoria do Comportamento Planejado. Desenvolvimento em Questão, v. 17, n. 48, p. 353-371, 2019. doi:10.21527/2237-6453.2019.48.353-371

SHAPERO, Albert; SOKOL, Lisa. The social dimensions of entrepreneurship. Encyclopedia of entrepreneurship, p. 72-90, 1982.

SILVA, Júlio Fernando da; PATRUS, Roberto. O “bê-á-bá” do ensino em empreendedorismo: uma revisão da literatura sobre os métodos e práticas da educação empreendedora. Revista de Empreendedorismo e Gestão de Pequenas Empresas, v. 6, n. 2, p. 372-401, 2017.

SOUZA, R. S. Intenção Empreendedora: validação de modelo em universidades federais de Mato Grosso do Sul, Brasil. 2015 113 f. Tese (Doutorado em Administração) – Universidade Nove de Julho - UNINOVE, São Paulo, 2015. Disponível em: https://repositorio.ufms.br:8443/jspui/bitstream/123456789/2705/1/Roosiley%20dos%20Santos%20Souza.pdf

STEIL, Andrea Valéria et al. Intenção de sair da organização: definições, métodos e citações em publicações nacionais. Revista Psicologia Organizações e Trabalho, v. 19, n. 2, p. 515-522, 2019. doi:10.17652/rpot/2019.2.14080.

STRYHALSKI, Patricia Murara. Cursos superiores de Tecnologia no Brasil: pesquisa e inovação. Boletim Técnico do Senac, v. 46, n. 1, 2020. Disponível em: https://www.bts.senac.br/bts/article/download/785/687/ Acesso em: 02 julho 2020.

TEIXEIRA, A. A. C., & DAVEY, T. Attitudes of Higher Education students to new venture creation: a preliminary approach to the Portuguese case. Industry and Higher Education, 24(5), 323-341, 2010.

THOMPSON, Edmund R. Individual entrepreneurial intent: Construct clarification and development of an internationally reliable metric. Entrepreneurship theory and practice, v. 33, n. 3, p. 669-694, 2009. doi:10.1111%2Fj.1540-6520.2009.00321.x

VASCONCELOS, Vanessa Nunes de Souza Alencar et al. Intenção Empreendedora, Comportamento Empreendedor Inicial e Teoria So-ciocognitiva do Desenvolvimento de Carreira. Revista de Empreendedorismo e Gestão de Pequenas Empresas, v. 9, n. 1, p. 159-188, 2020. doi:10.14211/regepe.v9i1.1491.

VESPER, K. H.; GARTNER, W. B. Measuring Progress in Entrepreneurship Education. Journal of Business Venturing, 12, pp.403-421. 1997. doi:10.1016/S0883-9026(97)00009-8.

Downloads

Publicado

2021-04-27

Como Citar

SANTOS, I. C. dos; LUSTOSA, M. do C. da S.; SILVEIRA, G. B. Intenção Empreendedora dos Graduandos em Tecnologia. Educitec - Revista de Estudos e Pesquisas sobre Ensino Tecnológico, Manaus, Brasil, v. 7, p. e143721, 2021. DOI: 10.31417/educitec.v7.1437. Disponível em: https://sistemascmc.ifam.edu.br/educitec/index.php/educitec/article/view/1437. Acesso em: 25 jan. 2022.