Tecnologias Digitais na Educação Básica

percepções e concepções discentes

Autores

DOI:

https://doi.org/10.31417/educitec.v10.2300

Palavras-chave:

Percepção e concepção discente, Ensino de Química, TDIC

Resumo

No âmbito deste estudo, derivado de uma dissertação, é abordada a significância da integração das Tecnologias Digitais de Informação e Comunicação (TDIC) no contexto do ensino de química, salientando-se que tais recursos tecnológicos conferem maior atratividade e dinamismo às atividades de ensino. O objetivo da pesquisa se concentra na análise das concepções e percepções discentes no que concerne à incorporação das TDIC nas aulas de química. Este estudo, de natureza básica e abordagem qualitativa, foi conduzido junto a 20 discentes do curso de formação de docentes de uma instituição de ensino pública, no Estado do Paraná. A construção de dados deu-se mediante a utilização de um questionário semiestruturado, cujas respostas foram submetidas a uma análise descritiva-analítica. Os resultados revelaram a aspiração dos alunos por uma abordagem pedagógica pautada na utilização de recursos tecnológicos nas aulas de química, uma vez que tais recursos são pouco explorados durante o ensino. Especificamente, 75% dos participantes indicaram preferência pela "Explicação no quadro e exercícios" como os recursos que consideram pertinente para otimizar a aprendizagem em sala de aula. Tal preferência, embora compreensível devido à prevalência desses métodos tradicionais nas aulas de química, evidencia a necessidade de transformação desse cenário. Apesar da escassa exposição dos alunos às TDIC no contexto escolar, é perceptível o anseio por uma abordagem didática mais dinâmica, que integre jogos tecnológicos, aplicativos e software.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Daniel Alexandre Afonso, Universidade Federal do Paraná - UFPR

Possui graduação em Química (Licenciatura e Bacharelado) pela Universidade Federal do Paraná (2005), especialização em Psicopedagogia pela Universidade Castelo Branco (UNC) (2009) e em metodologia do ensino de Química pela Centro Universitário Internacional (UNINTER) (2016). Mestre em Química pela UFPR - PROFQUI. Experiência na área educacional como professor de Química para o ensino fundamental e médio.

Arilson Silva da Silva, Universidade Federal do Paraná - UFPR

Doutorando em Educação em Ciências e em Matemática (UFPR), Mestre em Educação em Ciências e em Matemática, pela Universidade Federal do Paraná (UFPR) (2022). Graduado em Licenciatura Plena em Ciências Naturais com Habilitação em Química, pela Universidade do Estado do Pará (UEPA) (2019). Graduado em Licenciatura Plena em Pedagogia, pela Cruzeiro do Sul (2021). Especialista em Currículo e Prática Docente nos Anos Iniciais do Ensino Fundamental pela Universidade Federal do Piauí (UFPI) (2023). Especialista em Educação Especial Inclusiva pelo Centro Universitário Leonardo da Vinci (2019). Especialista em Metodologia de Ensino de Ciências Biológicas pelo Centro Universitário Leonardo da Vinci (2020). Professor efetivo na Secretaria Municipal de Educação de Salvaterra. Tem experiência na área de Química, Formação de Professores, Ensino de Química, Educação Inclusiva, Ensino de Ciências Biológicas, Práticas Pedagógicas, Anos Iniciais.

Everton Bedin, Universidade Federal do Paraná - UFPR

Graduado em Química Licenciatura Plena pela Universidade de Passo Fundo - UPF (2009). Especialista em Tecnologia de Informação e Comunicação na Educação - TICEDU - pela Universidade Federal de Rio Grande - FURG (2014), Gestão Educacional pela Universidade Federal de Santa Maria - UFSM (2018) e em Educação Ambiental e Desenvolvimento Sustentável pela Faculdade Dom Alberto (2018). Mestre em Educação em Química pela Universidade Federal de Uberlândia - UFU (2012). Doutor em Educação em Ciências: química da vida e saúde pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul - UFRGS (2015). PhD pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul - UFRGS - no Programa de Pós-graduação: Educação em Ciências: química da vida e saúde, onde desenvolveu a metodologia DICUMBA - Desenvolvimento Cognitivo Universal-bilateral da Aprendizagem. Atualmente é professor permanente no Departamento de Química da Universidade Federal do Paraná (UFPR) e nos Programas de Pós-graduação em Educação em Ciências e em Matemática (PPGECM) e no Mestrado Profissional em Química em Rede Nacional (PROFQUI). Possui experiência na área de Química com ênfase em Química, trabalhando, principalmente, nos temas: formação docente, ensino-aprendizagem, TICs, interdisciplinaridade e metodologias de ensino.

Referências

ANABUKI, E. T. Aprendizagem baseada em problemas e aprendizagem colaborativa no ensino de engenharia de controle e automação. Educitec-Revista de Estudos e Pesquisas sobre Ensino Tecnológico, v. 5, n. 10, 2019. https://doi.org/10.31417/educitec.v5i10.469 DOI: https://doi.org/10.31417/educitec.v5i10.469

ANDRADE, M. M. Como preparar trabalhos para cursos de pós-graduação: noções práticas. 5. Ed. São Paulo: Atlas, 2002.

ARAÚJO SOBRINHO, E. M.; RIVERA, J. A. A utilização das TIC’s de forma criativa e inovadora no contexto da Educação Profissional e Tecnológica. Revista de Estudos e Pesquisas sobre Ensino Tecnológico (EDUCITEC), v. 7, e110320, 2021. https://doi.org/10.31417/educitec.v7.1103 DOI: https://doi.org/10.31417/educitec.v7.1103

COSTA, P. N.; CORDOVIL, R. V. Reflexões acerca da abordagem qualitativa na pesquisa em educação em ciências. Brazilian Journal of Development, v. 6, n. 8, p. 62749-62758, 2020. https://doi.org/10.34117/bjdv6n8-636 DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n8-636

FÜHR, L. Reflexões sobre a saúde financeira com o auxílio da tecnologia digital. Educitec-Revista de Estudos e Pesquisas sobre Ensino Tecnológico, v. 4, n. 09, 2018. https://doi.org/10.31417/educitec.v4i09.381 DOI: https://doi.org/10.31417/educitec.v4i09.381

GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. 5. ed. São Paulo: Atlas, 1999.

GINANE, M.; AZEVEDO, T. L. Avanços tecnológicos e educação: impactos e transformações. Revista Ibero-Americana de Humanidades, Ciências e Educação, v. 9, n. 8, p. 2191-2206, 2023. https://doi.org/10.51891/rease.v9i8.11043 DOI: https://doi.org/10.51891/rease.v9i8.11043

GONÇALVES, A. S.; DIAS, V. B. Desafios e potencialidades na utilização de recursos didáticos no processo de ensino e aprendizagem dos conceitos de Citologia. Educitec-Revista de Estudos e Pesquisas sobre Ensino Tecnológico, v. 8, e198322, 2022. https://doi.org/10.31417/educitec.v8.1983 DOI: https://doi.org/10.31417/educitec.v8.1983

GRANATO SANTOS, R.; SILVA DE OLIVEIRA, N. A tecnologia abrindo espaço para discussão e aprendizagem sobre direitos humanos no ensino médio. Educitec-Revista de Estudos e Pesquisas sobre Ensino Tecnológico, v. 5, n. 10, 2019. https://doi.org/10.31417/educitec.v5i10.420 DOI: https://doi.org/10.31417/educitec.v5i10.420

LEITE, B. S. Tecnologia no ensino de química: teoria e prática na formação docente. 1. ed. Curitiba: Appris, 2015.

LEMES, S. S. O currículo para a escola democratizada: das pistas históricas às perspectivas necessárias. In: COLVARA, L. D. Caderno de Formação: formação de professor: Gestão Escolar, v.2, Bloco 03, D28: Gestão Curricular. São Paulo: Cultura Acadêmica: UNESP – Pró-Reitoria de Graduação: Univesp, 2013.

MACHADO, F. C.; LIMA, M. de F. W. P. O Uso da Tecnologia Educacional: Um Fazer Pedagógico no Cotidiano Escolar. Scientia Cum Industria, v. 5, n. 2, pp. 44-50, 2017. DOI: https://doi.org/10.18226/23185279.v5iss2p44

MELO, M. S.; SILVA, V. R.; GAIA, R. V. Tecnologias digitais: as complexidades do cenário pandêmico no PROEJA e na EJA durante o ensino remoto. Educitec-Revista de Estudos e Pesquisas sobre Ensino Tecnológico, Manaus, v. 8, e198522, 2022. https://doi.org/10.31417/educitec.v8.1985 DOI: https://doi.org/10.31417/educitec.v8.1985

MORAN, J. M. Ensino e aprendizagem inovadores com tecnologias. Informática na educação: teoria & prática, v. 3, n. 1, 2000. https://doi.org/10.22456/1982-1654.6474 DOI: https://doi.org/10.22456/1982-1654.6474

PUENTES, R. V.; ARRUDA, D. E. P. A docência no ensino superior: a formação de professores para atuar com tecnologias na educação presencial e a distância. Ensino em ReVista, v. 18, n. 2, p. 247-258, jul./dez. 2011. https://doi.org/10.14393/ER-v18n2a2011-4 DOI: https://doi.org/10.14393/ER-v18n2a2011-4

ROSENTHAL, G. Pesquisa social interpretativa: uma introdução. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2014. 311 p.

ZABALA, A. A prática educativa: como ensinar. Porto Alegre: ArtMed, 1998.

Downloads

Publicado

25-01-2024

Como Citar

AFONSO, D. A. .; SILVA, A. S. da; BEDIN, E. Tecnologias Digitais na Educação Básica: percepções e concepções discentes. Educitec - Revista de Estudos e Pesquisas sobre Ensino Tecnológico, Manaus, Brasil, v. 10, n. jan./dez., p. e230024, 2024. DOI: 10.31417/educitec.v10.2300. Disponível em: https://sistemascmc.ifam.edu.br/educitec/index.php/educitec/article/view/2300. Acesso em: 19 jul. 2024.

Edição

Seção

Dossiê Ensino Tecnológico e Inovação: perspectivas para o futuro próximo
Received 2023-10-20
Accepted 2024-01-24
Published 2024-01-25