Por trás de fotografias e imagens: reflexões sobre o uso de tecnologias à luz das implicações do currículo oculto

Autores

  • Bruno Sérgio de Andrade Universidade Federal de Itajubá
  • Amanda Larissa de Almeida Universidade Estadual Paulista (UNESP)
  • Eliane Matesco Cristovão Universidade Federal de Itajubá

DOI:

https://doi.org/10.31417/educitec.v4i08.521

Palavras-chave:

Ensino de matemática, Tecnologia educacional, Software educativo, Visualização, Matemática aplicada, Currículo implícito

Resumo

Por diversos fatores, durante seu percurso escolar muitos alunos perdem seu senso crítico e seu poder de questionamento, caindo no conformismo e aceitação de tudo que lhes é apresentado. Não seria diferente em relação aos conteúdos desenvolvidos nas aulas de matemática. Os educandos nem sempre são mobilizados a questionar a presença e o papel da matemática na sua vida, passando a vê-la simplesmente como um conjunto de regras e técnicas para operar. Diante desta problemática, no âmbito de um subprojeto de Matemática do PIBID, foi proposta uma intervenção baseada no uso de aplicativos desenvolvidos a partir do software Wolfram Mathematica, que possibilita a conversão e tratamento de imagens em matrizes e vice-versa. A sequência didática, elaborada para esse fim, buscava incentivar os alunos a perceberem que a matemática pode estar presente em atividades diárias como, por exemplo, o simples ato de fotografar objetos ou pessoas pelo celular, além de possibilitar a visualização dinâmica dos conceitos envolvidos nessa prática. Com base no referencial sobre implicações do currículo oculto (ou implícito) para o desenvolvimento humano dos educandos, neste artigo, a partir de episódios ocorridos durante a intervenção, são analisadas as potencialidades das atividades desenvolvidas. De antemão, pode-se afirmar que há indícios de que além de facilitar a visualização da relação existente entre imagens e matrizes, a intervenção possibilitou mudanças no currículo oculto transmitido aos alunos, contribuindo para o desenvolvimento do senso crítico, da autonomia e da capacidade de socialização.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Bruno Sérgio de Andrade, Universidade Federal de Itajubá

Graduando em Matemática Licenciatura na Universidade Federal de Itajubá (UNIFEI), bolsista PIBID (Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência) e integrante do Grupo de Pesquisa em Educação Matemática e Práticas Educativas (GPEMPE).

Amanda Larissa de Almeida, Universidade Estadual Paulista (UNESP)

Mestranda em Educação Matemática pela Universidade Estadual Paulista (UNESP), IGCE, Campus de Rio Claro/SP. Professora de Matemática do Estado de Minas Gerais. Possui graduação em Matemática Licenciatura pela Universidade Federal de Itajubá (2016) no qual participou de atividades como o Pibid, Iniciação Cientifica e Projeto de Extensão. Seu interesse de pesquisa está relacionado a Formação de Professores de Matemática e mais especificamente às disciplinas de conteúdo matemáticos da Licenciatura. 

Referências

BARBOSA, S. M. Tecnologias da informação e comunicação, função composta e regra da cadeia. 2009. 199 f. Tese (Doutorado em Educação Matemática) – Instituto de Geociências e Ciências Exatas, Universidade Estadual Paulista, Rio Claro, 2009.

BORBA, M. C.; PENTEADO, M. G.. Informática e Educação Matemática - 3. ed.– Belo Horizonte: Autêntica, 2003. (Coleção Tendências em Educação Matemática, 2)

BRASIL. Pibid – Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência. Disponível em: <http://www.capes.gov.br/educacao-basica/capespibid>. Acesso em: 20 ago. 2018.

FERNANDES, R. J. G.; SANTOS JUNIOR, G.; Modelagem matemática: um recurso pedagógico para o ensino de matemática. Revista Práxis, v. 4, n. 8, p. 21-29. Agosto. 2013. Disponível em: <http://revistas.unifoa.edu.br/index.php/praxis/article/view/571>. Acesso em: 20 out. 2018.

GADOTTI, M. Boniteza de um sonho: ensinar-e-aprender com sentido. Feevale, 2003. Disponível em: <http://www.feevale.br/Comum/midias/93aeebed-9c8b-4b56-8341-22ac5cd3b501/Boniteza%20de%20um%20Sonho.pdf>. Acesso em: 20 outubro 2018.

GARNICA, A. V. M. História Oral e educação Matemática. In: BORBA, M. C.; ARAÚJO, J. L. (Org.) Pesquisa Qualitativa em Educação Matemática. Belo Horizonte: Autêntica, 2004.

SÃO PAULO. Caderno do professor: ensino médio, 2ºano. São Paulo: SEE/SP, v.2, 2009.

SILVA, E. O; MOREIRA, M; GRANDO, N. I. O contrato didático e o currículo oculto: um duplo olhar sobre o fazer pedagógico. Zetetiké, Campinas–SP, v. 4, n. 6, p. 9-23, 1996.

SOUZA, J. R. D. Novo olhar Matemática. 1. ed. São Paulo: FTD, v.2. 2010.

VALENTE, J. A. Diferentes usos do computador na Educação, In: VALENTE, J. A. (Org), Computadores e conhecimento, repensando a Educação. UNICAMP-NIED, 1993.

Downloads

Publicado

14-11-2018

Como Citar

ANDRADE, B. S. de; DE ALMEIDA, A. L.; CRISTOVÃO, E. M. Por trás de fotografias e imagens: reflexões sobre o uso de tecnologias à luz das implicações do currículo oculto. Educitec - Revista de Estudos e Pesquisas sobre Ensino Tecnológico, Manaus, Brasil, v. 4, n. 08, 2018. DOI: 10.31417/educitec.v4i08.521. Disponível em: https://sistemascmc.ifam.edu.br/educitec/index.php/educitec/article/view/521. Acesso em: 19 jul. 2024.

Edição

Seção

Ed. Especial 2018: Processos e Recursos para o Ensino em um Contexto Tecnológico
Received 2018-08-25
Accepted 2018-10-25
Published 2018-11-14